Entrevista com INRI CRISTO, por Alessandro Martins

Esta entrevista foi cedida por INRI CRISTO – o homem, então morador de Curitiba, que diz ser a reencarnação do filho de Deus.

Na época, A Paixão de Cristo, filme violentíssimo de Mel Gibson, acabava de estrear no cinema e eu fiz questão de saber a opinião dele, pois supostamente havia passado pelo suplício.

Ele garantiu que o protagonista de Coração Valente exagerou no sangue.

O senhor achou o filme violento?
Não achei o filme violento. Achei violenta a idéia que tiveram há dois mil anos e agora. Sempre essa necessidade de reprisar, essa necessidade que o povo tem de ver sangue, de ver açougue. Então a idéia de há 2000 anos foi violenta, porque não precisava toda aquela sem vergonhice. Bastava me crucificar e pronto, não tinha que me chicotear. Até porque o próprio Pilatos disse que não encontrou crime nenhum em mim. É mórbido isso.

Não à toa os jornais expreme-sai-sangue vendem tanto. Não é?
É mórbido. Inclusive não é só isso aí. Há outros filmes de gladiadores, dos imperadores mandando os leões comerem pessoas. Isso dá uma bilheteria garantida. Eu estudei durante 30 anos a história da humanidade, porque eu sou teodidata, sabe, então eu estudo o que meu pai manda. Estudei a história da humanidade, estudei antropologia, biologia, filosofia e história, principalmente. E eu vi as horrorosas atrocidades que foram cometidas em Roma. Isso até antes da minha crucificação.

O senhor passou por tudo aquilo?
Digamos assim que ele deu, de acordo com a necessidade contemporânea, uma pitadinha suplementar em algumas coisas. Tem coisas ali que chegam a ser absurdas. Vou citar um exemplo que chega a ser hilariante. É no momento em que aparece um corvo e come o olho de um dos ladrões.

Há muita fantasia no filme?
Pois é, junto com isso aí, você pode ver que tem o lado fantasia, o lado mórbido, o lado da sede de sangue. Esse artista, esse Gibson, ele foi infeliz. Ele foi muito feliz sim em termos de lucro, ele ganhou e vai ganhar muito dinheiro, depois ainda vai vender os filmes, independentemente da pirataria, também nas locadoras e tal. Então como me perguntou se foi tudo daquele jeito, eu respondo que não foi tudo daquele jeito, foi mais ou menos. Você tem que ver que nos dias atuais os seres humanos ligam a televisão e é morte, é crime, é assassinato. Então para os tempos atuais se ele colocasse exatamente como foi, não daria bilheteria, não daria lucro. A indústria da morte dá lucro.

Talvez se ele usasse uma abordagem mais simbólica?
Não ia dar esse escândalo de bilheteria. Mas da mesma maneira como ele colocou o corvo lá comendo o olho do sujeito, poderia ter colocado, de repente, a Maria crucificada ali do lado também e algumas coisitas mais.

E sobre o anti-semitismo do filme?
Agora quero deixar bem claro uma coisa. Inclusive até na internet onde já respondi sobre este assunto. Ninguém é obrigado a crer em mim, que eu sou o Cristo, mas eu sou o verdadeiro, o que eles crucificaram. Mas quero dizer que é uma incongruência culpar os judeus pela minha crucificação. É uma coisa tão boba. Porque só quem não conhece a história, só quem não estudou sociologia vai engolir isso. Porque se um país está sitiado, está sob domínio de um povo, se um país está sob um jugo da autoridade militar, então por mais negociatas que se faça por ali no âmbito religioso, jamais aquele que executar alguém, aquele que decretar uma sentença de execução, pode transferir o ônus da culpa para o povo. Não dá, entende? Tanto é que Pilatos disse assim para mim – não és obrigado a crer – disse assim: “Fala, defenda-te não vês que eu tenho o poder para libertar ou para te crucificar. E eu, lhe respondendo, disse: “Nenhum poder teria se não te fosse dado do alto”. Quando Pilatos falou isso ele estava mostrando que era ele quem decidia se eu ia ser crucificado ou não, como bem decidiu, como ele decidiu ao lavar as mãos.

Na verdade, ele lavou as mãos mas estava decidindo…
É, mas claro, pois a hora que ele diz eu lavo a mão, esse foi um gesto covarde, um gesto covarde que ficou para sempre na história da humanidade. Ele ficou conhecido como o juiz mais covarde que a humanidade já conheceu. Porque ele não disse nem crucifique-o imediatamente como também não disse o contrário. Aí quando eles gritaram mais forte, instigados pelos, pelos… assim como nos auditórios de televisão hoje em dia, planta-se quatro, cinco batedores de palma oficial para induzir os outros a bater palma. Estavam plantados no meio do povo um sacerdote aqui, outro lá, outro acolá para instigar. Nem por isso pode-se colocar a culpa sobre o povo judeu, porque tudo isso só aconteceu porque a autoridade constituída permitiu.

No filme há uma impressão de que Pilatos tinha boa índole…
É. O problema todo é ver o momento que ele viveu. Se ele fosse um governante que estava governando um país que era dele, tudo seria diferente, ele podia se dar ao luxo de não ser tão covarde. Mas como ele estava governando um país que não era dele, ele tinha medo de levantes, conspirações. Ele não dormia de noite, o Pilatos era uma pessoa que vivia sempre apavorada, com medo que alguma coisa acontecer a qualquer momento.

O aramaico e o latim foram bem usados no filme?
Eu não posso opinar, porque nesta minha encarnação eu não falo aramaico, eu falo neo-aramaico, que é a língua que eu estou falando agora. Eu, Jesus, falava aramaico. Eu, INRI CRISTO, que quer dizer a mesma coisa, agora falo o neo-aramaico, ou seja, a minha língua. Quer dizer, eu posso responder agora pela língua que eu falo no momento. Atualmente eu não posso responder nem pelo latim nem pelo aramaico. Eu falo nesta encarnação o português. Falo espanhol, porque falo em toda a América Latina, nas praças públicas, nas televisões. E falo francês.

Herodes era homossexual?
Herodes? Bom eu não posso opinar assim como é que ele era, porque – não és obrigado a crer, mas meu encontro com ele, foi naquela circunstância -, e o que ele era, isso não precisa nem eu falar, a história fala. Ele era um sujeito oportunista, que mesmo vendo o país dele dominado, fez um conchavo lá, com o interventor pra poder continuar no palácio, poder continuar comendo bem, no luxo. Ele fez um acordo. Então isso ele era, um oportunista. Agora, quanto a opção sexual dele, eu não posso, sinceramente, opinar, até porque nos tempos atuais o negócio de opção sexual está dando muita polêmica. Por mim se ele era ou não… porque eu entendi a tua pergunta… a pergunta, mas eu não posso assim, isso já transcende, digamos assim, a minha responsabilidade, mesmo nos tempos atuais eu só, eu, INRI CRISTO, não pratico sexo e ensinei os meus discípulos, através do poder da oração, a vencer a carne. E que pensem e falem o que quiser lá fora, mas esta é minha realidade, desde 1979 Deus me deu poder sobre a carne. Então daí, agora quanto a opção sexual, se a pessoa vai pra um lado ou pro outro… Desde que seja do lado de fora dos muros da casa do Senhor, eles podem fazer o que quiserem. Não é que eu estou fugindo da pergunta é que eu não posso opinar mesmo porque eu tive um encontro tão furtivo com ele há 2 mil anos. E, no caso, como que eu vou poder ter certeza, tem muitos homens bigodudos, falando grosso e tal, que lá pelas quantas da meia-noite vão lá pras quebradas. E tem outros também que falam até fino, mas na verdade como, no caso do Dener, que foi um ilustre estilista brasileiro. Que ele disse publicamente, até no livro dele, que ele era fresco assim pra poder despir a mulher do presidente da república, a Maria Teresa Goulart. Inclusive ele era casado com uma mulher muito linda e divorciado. Teve dois filhos, tudo. Se não fosse fresco, ele disse, o presidente não deixava a mulher dele ser despida. Ele foi um dos homens mais inteligentes do estilismo. O Clodovil naquele tempo era um segunda classe, alias até hoje, pelo menos é o que eu vejo aí falando.

Outra coisa que chamou atenção no filme é que o demônio é retratado como um personagem andrógino, o que você achou disto?
Bom, o demônio. O demônio, na verdade, o demônio não tem corpo físico, logo ele não pode ser andrógino, porque ele não tem corpo físico. Mas ele atua tanto no corpo de um homem quanto no de uma mulher, então logo ele pode ser qualificado de, digamos assim, no mínimo de dupla sexualidade, porque não tem sexo. Ele atua nos dois setores. O grande truque que o demônio fez, o maior de todos, foi convencer através de catecismos da igreja uma faceta errada. Todo mundo procura um macaco com rabo e chifre e não se vê que está incorporado num sacerdote, numa freira ou até numa criança ele pode incorporar. Então quer dizer que ele não pode ser andrógino, porque ele não tem corpo físico. Andrógino é alguém que possui corpo físico. Não confundir andrógino com hermafrodita. Hermafrodita é uma anormalidade física e andrógino é sinônimo de perfeição divina. Deus é andrógino. Se fosse, se Deus fosse falar em termos físicos, ele é andrógino, porque ele é pai e mãe numa só entidade. Muita gente pensa que andróginoé uma pessoa que tem 2 tipos de sexo. Não. Primeiro que um andrógeno de verdade não pratica sexo.

Você recomenda que o filme seja visto?
Eu acho que esse filme vem a calhar porque pelo menos tem a missão de apagar a imagem que alguns imbecis lá da Europa inventaram para substituir a minha imagem. Então agora com a vinda desse filme no mundo inteiro aquela outra imagem vai se apagar. Em algum lugar criaram a imagem de um fascínora, uma pessoa com um olhar bem diabólico e mostraram no mundo inteiro. Porque o povo se revoltou com aquela imagem. Outra hora questionam o sudário de Turim, dizem que não é verdadeiro, mesmo que já tenham base científica, foi um pesquisador da Universidade de Israel que constatou que a idade do sudário é exatamente aquela e que também tem a presença de pólem que só há lá em Israel.

Você gostou da interpretação do Jim Caviezel?
Eu nem tenho direito de gostar ou não, mas eu achei que ele foi um excelente ator. Aliás, diga-se de passagem, sofreu bastante, mesmo sendo uma parte, foi muito difícil ele fazer aquele papel dele, né? Como bem disse a imprensa internacional, aquele ali é o Jesus da ótica do Mel Gibson (não consegue pronunciar o sobrenome e uma de suas discípulas o ajuda), eu tenho dificuldade em pronunciar este sobrenome. Mel é claro que qualquer um tem facilidade de pronunciar, porque todo mundo come mel. Agora, Gibson.

Maria Madalena era tão bonita quanto a Monica Belucci?
Agora este detalhe eu não prestei atenção, prestei atenção no filme, que eu assisti uma única vez. Então eu não prestei atenção neste detalhe, então eu não posso opinar. Mas a Maria Madalena, a beleza que ela tinha é, maior do que a física, era a beleza espiritual, porque mesmo sendo uma mulher que vivia nas sombras da espiritualidade, ela me encontrou, de repente, ela mudou completamente a vida dela, e quando me encontrou, de repente, ela ficou fiel até o fim, até o último momento. Onde eu ia ela estava sempre se esforçando para estar presente. Então a beleza dela, eu posso testemunhar, era a beleza da grandeza do espírito e que, tem certas coisas que acontecem não por acaso.

O senhor costuma ir bastante em cinema? Tem algum filme preferido?
Fazia alguns anos que eu não ía no cinema, assisto em casa. Eu gosto de filmes de histórias, eu assisto filmes de história, porque tem sempre um significado mais profundo. Eu não sou aficcionado por ficção. Quando eu vejo que tem muita fantasia no meio, daí eu já paro de assistir o filme, porque a realidade não é, eu não sou muito… a minha vida é tão cruel, tão real assim, tão cruamente real, que eu não tenho espaço pra fantasia na minha vida, tudo é muito real na minha vida, a reprovação que eu sofro é real e está prevista em Lucas 17, versículos 25 a 35. O ódio que os religiosos contemporâneos, religiosos entre aspas, tem de mim, é real, eu sinto na minha carne as energias nefastas que deles emanam. O ódio que eles plantam, o veneno que eles plantam na cabeça do meu povo pra eles se voltarem contra mim também são reais, então quer dizer que eu não tenho na minha vida contemporânea, no meu corpo físico e na minha mente, espaço para fantasia, porque a vida é muito clara pra mim, muito rigorosa, e eu tenho que estar sempre muito alerta porque para onde eu olho eu vejo alguém que é contra o meu reino de luz, contra meu pai, alguém violando as leis que meu pai mandou que eu viesse restabelecer na Terra. Esta é a realidade.

O roteiro do filme mistura os evangelhos, com alguma ênfase para João que é um dos evangelistas que pega mais pro lado místico da coisa. Você acha isso válido, essa mistura, ou você tomaria um evangelho apenas? Qual seria?
Eu acho válido que eles coletem no evangelho. Antes quero dizer que para a arte tudo é possível. Eu sou a favor da arte, entende, a arte existe… quando digo que sou contra a fantasia, pra mim é um gosto pessoal. Agora se fosse pra ser um evangelho só, ia ser um problema sério. Digamos que se escolhesse Mateus. Ia ter um problema sério daí porque ia ter muita fantasia. Porque Matheus delirou, por não estar presente na hora da crucificação. Então ele delirou ao escrever que a terra se abriu e os mortos saíram do túmulo. Isso é fantasia. Enquanto que João era testemunha ocular. O único que vale é o de João. Ele então não falou que a terra se abriu e os mortos saíram do túmulo. Muitas pessoas até hoje, os fariseus que se dizem crentes e evangélicos pentecostais, eles levam ao pé da letra o que está lá escrito, não dão oportunidade ao servo para raciocinar, até porque tem um cadeado no raciocínio chamado dogma ou… não importa que nome que dão pra este cadeado … e daí não pode ver que tem certas coisas que são fantasias. Tem outras coisas lá na Bíblia que são fantasias. Mas que Deus permitiu, que é pra justamente fazer a separação entre os que raciocinam e os que não raciocinam que é pra facilitar a minha missão de julgador, quando chegar a minha hora de distinguir quem é meu filho de quem não é, os meus filhos raciocinam e os outros são os outros. Então quer dizer se ficasse só com um evangelho até eu ficaria muito mal. Porque daí não teriam colocado, por exemplo, Lucas, que não foi discípulo. A missão de Lucas foi coletar, no meio das coisas que eu falei, uma frase ali que todos os outros evangelistas boicotaram. A minha reprovação. Todos os evangelistas deliraram com coisas como Jesus Cristo vem nas nuvens etc. Por isso Deus colocou Lucas que veio lá da Grécia, um médico que não tinha nada a ver, mas que veio investigar. E ele colocou essa frase que tá em Lucas 17, versículo 25-35, que “antes do dia de glória do filho do homem, ele padeceria muito, seria rejeitado por esta geração”, mas é esta geração, de hoje, e pra mostrar que é esta geração lá tá escrito assim: assim como foi nos tempos de Noé, assim será quando o filho do homem se manifestar. Então não vou dizer já aconteceu, assim como foi também nos tempos de Ló, assim será no dia que o filho do homem se manifestar. Tinha que ter no mínimo esses quatro evangelistas, porque sempre um escreveu uma coisa que o outro não escreveu. Por essa razão, eu não condeno o autor desse filme, se ele tirou um pouco daqui outro de lá, de acordo com o que ele sentiu necessidade.

Que outros filmes sobre sua vida o senhor viu?
Eu assisti A última tentação de Cristo, Jesus Cristo Super Star… Agora, este da Última Tentação, eu assisti porque veio a Rede Mancheteme entrevistar e eu não tinha assistido. E daí ficou meio desconfortável pra eu dar a entrevista. Daí eu fui assistir e constatei o seguinte: o filme não está de todo ruim. Só que tem uma coisa que era impossível de ter acontecido. Veja bem, a última tentação seria se eu não tivesse vencido a carne. Vi que no filme na última hora da crucificação eu saí do corpo, fui lá casei tive filhos. Um delírio de última hora. Isso seria possível, sim, se eu não tivesse feito toda essas coisas antes de começar a vida pública. Aí teria sido a ultima tentação. Mas eu, antes de começar a vida pública, eu dormi com prostitutas, eu vivi tudo que os homens viveram. Tanto é que graças a eu ter vivido vida bem mundana, é que eu pude ter certeza em dizer: aquele entre vós que estiver sem pecado atire a primeira pedra. Porque eu vim de lá do meio do mundo, onde os homens pecam, eu sabia que todos pecam, deu pra entender? Então quer dizer que não é possível a última tentação, porque a última tentação só era possível se eu fosse um Cristo como apregoam paras igrejas. Um Cristo puro e ingênuo. Eu sou puro porque meu pai me purificou. Mas não sou ingênuo, eu tenho todo o conhecimento de tudo, tinha a dois mil anos e tenho agora, de tudo que fazem aí, eu sei tudo que se faz, eu sei o que que os homens fazem nos motéis, eu sei tudo que fazem porque eu vivi como homem até 1979 e há dois mil anos eu vivi como homem sim, até o dia que João Batista me batizou. Por isso que eu exigi que ele me batizasse, porque eu estava enlameado dos pecados do mundo. Aí só depois pousou sobre mim o Espírito Santo. Porque antes não podia porque eu estava enlameado.

No filme o senhor foi amarrado e pregado. Como foi na verdade?
Ninguém é obrigado a crer, mas eu vou dizer, porque Deus me deu, não de tudo, mas deu a memória de muitas coisas no jejum. Então quando fui crucificado foi aqui (mostra o pulso) e não aqui (mostra a mão). Podem inventar o que for, porque durante muitos séculos os pintores pintavam desta forma e tal, até o próprio sudário denuncia, se alguém for examinar, que a crucificação não foi na palma da mão e sim aqui. Pode examinar.

No período da morte na cruz e até a ressureição, o que aconteceu?
Em primeiro lugar, eu não morri na cruz, eu apenas desencarnei. O sangue coagulou quando eu invoquei meu pai e disse. Então nesta hora eu desencarnei do corpo, meu sangue coagulou, porque quem anima o sangue é o espírito. Por isso não podia ressuscitar, fisicamente, com o corpo.

Você fala bastante sobre reencarnação na sua página da internet.
Lá eu falo sobre ressureição, onde é que foi parar o meu corpo, tudo. Tá lá na internet. Então se você tiver a oportunidade tu dá uma olhada lá. Também falo como é que Maria foi fecundada. Por obra do Espírito Santo sim, mas sem violar a lei da genética, da biologia, lá está explicado como foi. Então, tu me perguntaste o que que eu fiz, o que que aconteceu comigo no lapso de tempo que passou da minha crucificação até…

A ressureição?
Pois é, ressurreição não tem o que passar. A partir do momento que eu não estou no meu corpo físico, o tempo não conta mais. O tempo só conta no plano físico. Então não tem lapso de tempo para mim, para os que estavam na Terra teve lapso de tempo. Mas para mim, eu fui crucificado e a seguir reapareci para algumas e outras pessoas. Sempre quando eu apareci fisicamente, por isso que é bom que se leia sobre a ressurreição (na internet), lá está explicado tudo. Quando eu apareci fisicamente ocupando o corpo de outro. Tu vê ta lá tudo explicado, com os respectivos versículos bíblicos. E as vezes em que eu apareci com a minha imagem, eu entrava sem abrir a porta, aí está a prova de que eu não estava com o corpo físico. Agora esta história de ir de carne e osso para o céu foi mais uma invenção que fizeram para tentar imitar a mitologia. Porque Osíris foi para o céu de carne e osso.

Você acha que a religião católica pegou muito do paganismo?
É que ela foi fundada por Constantino. É por isso que ela é católica apostólica romana e não cristã. Ele a fundou, solapou o que sobrou da minha seita, que era chamada seita do nazareno. É apostólica porque ela foi fundada pelos apóstolos do Constantino. Era o braço eclesiástico que pretendia se estender por toda a Terra para respaldar o braço militar. O fundador da igreja romana é um assassino. Ele matou o filho, matou a mulher. Se você for estudar a história vai ver lá. Inclusive o dia de domingo substitui a adoração do dia do sol, e aí por diante. Então quer dizer a igreja romana é uma igreja pagã. Não é que ela adotou algumas coisas, ela adotou tudo que era, não mudou nada, só tentou incluir meu nome no meio, e Maria, Maria substituiu a deusa Ísis e, porque a Ísis também tinha uma concorrente, que era Cibele, então eles inventaram a Maria de Fátima, de Lurdes, de…

E o que aconteceu com Judas?
Ele se suicidou, fisicamente falando.

E depois?
Tu não és obrigado a crer. Mas eu conheci e encontrei com ele pessoalmente, em carne e osso. Um oficial do exército francês. Ele fundou a minha igreja francesa, minha sucursal francesa que agora está desativada por conta dos anos que eu estou aqui, pois fiquei aqui como apátrida impedido de sair do Brasil. Eu não voltei pra lá.

Como é o nome dele?
Cristiano.

De tudo que aconteceu naquela época, o senhor guarda mágoa? Algo poderia ser diferente?
Nada podia ser diferente, nada. Porque estava previsto isto. Se eu mesmo disse pro Pedro, na véspera da crucificação, que ele estava endemoniado quando ele disse que tentaria impedir. Então isto estava previsto e ele tem que ver que os seres humanos geralmente não enxergam o lado bom das coisas. Eu quero explicar que o lado bom da crucificação é que Deus propiciou que eu resgatasse em poucas horas, os pecados que a humanidade cometera por minha culpa. Eu não fui crucificado inocente. Tive muitas encarnações, desde os tempos de Adão. Houve um primeiro filho de Deus, não és obrigado a crer, eu sou este. Então eu paguei com o meu sangue na cruz o pecado que a minha prole cometera, porque eu, no princípio, não obedeci a ordem de meu pai. Ninguém é obrigado a crer. Aí vão dizer, ah mais outro, este é mais louco ainda, mas é a realidade, eu sou o primogênito de Deus, Adão. Por isso que eu disse que era primogênito de Deus, e por isso que eu disse que era mais velho do que Abraão. Aí me apedrejaram. Eu queria dizer que o Adão era o primeiro e Abraão era uma encarnação minha. Mas se eu dissesse que era Abraão também, mais pedradas. Então como agora, me odeiam porque eu digo que eu sou Cristo, queriam que eu dissesse que eu sou o quê? Getúlio Vargas, ou quiçá Marechal da Fonseca? Eu sou o mesmo Cristo que crucificaram e é isto que eu sou e pronto. Eu não posso, eu pago um preço bem alto para dizer a minha verdadeira identidade, enquanto que me repudiam, me caluniam, eu continuo com a minha cabeça erguida, porque estou cumprindo uma profecia bíblica. E eu não poderia ter nenhuma, respondendo a tua pergunta, nenhuma mágoa contra quem quer que seja, porque eu sou o mesmo que disse na hora da crucificação, na hora da agonia: perdoai-vos ó pai, eles não sabem o que fazem. Eles não sabiam o que estavam fazendo, como não sabem o que fazem agora.

Em um momento do suplício todo, o senhor pensou em dar uma resposta, ou fazer algo? O senhor pensou em desistir?
Durante a crucificação, assim como neste século, nesta encarnação que me crucificaram durante estes últimos 20 anos, pela mídia, porque eu estou sendo boicotado, um boicote violentíssimo, não só brasileiro, mas internacional. Então não é por causa da crucificação contemporânea, moderna que é o boicote, que eu abdicaria, porque eu não tenho livre arbítrio, eu vim ao mundo sem livre arbítrio. Então eu sou obrigado a ir adiante. E assim quando eu fui crucificado eu fui obrigado a ir adiante porque eu não tinha livre arbítrio. Então o cidadão pode escolher, os meus discípulos puderam escolher. Agora eu não tinha escolha, eu vim pra cumprir uma profecia bíblica, pra bem da verdade. Agora mesmo, se eu tivesse escolha, eu não estaria aqui agora, justamente na cidade onde mais fui caluniado, onde fui mais odiado, onde mais blasfemam contra mim, eu não estaria aqui onde sou rigorosamente boicotado pelos meios de comunicação. Até duvido que vai pro ar esta matéria. E eu não gosto do clima de Curitiba. Preferiria o Rio de Janeiro, mesmo no meio de toda aquela violência, porque eu não tenho nenhuma violência. Ou então até mesmo onde eu reencarnei, onde o clima é mais ameno. Porque o clima frio, quando chega o inverno, eu sofro muito aqui e sou obrigado a ficar aqui porque meu pai me mandou aqui. Agora, geralmente eu fico lá em Paranaguá, na montanha onde moro, te convido se quiser um dia me visitar lá, pode vir, te convido independentemente de ser jornalista.

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

4 × quatro =