Parábola do Verminoso

Assim falou INRI CRISTO:

Este mundo caótico se assemelha a um grande recipiente de vermes. A humanidade, neste século, insiste e se esforça por parecer, por se igualar a uma comunidade homogênea de vermes, vibrando e se movimentando frenética e continuamente contra mim e meu PAI, SENHOR e DEUS, que me reenviou a este mundo. Senão, vejamos pois: imaginai um grande recipiente repleto de vermes, todos se entrelaçando, e que haja alguém no entremeio que não queira mais ser verme e tente se desvencilhar dos demais.

Quando, após muito esforço, consegue chegar à beira do recipiente, quando já está quase se desmassificando, quase se individualizando, o conjunto verminoso o reentrelaça e o subjuga arrastando-o de volta para o interior do recipiente, vociferando em uníssono: ‘Sê igual a nós! Não te apartes! Não te diferencies nem tentes te diferenciar! Nós é que estamos certos! Nós é que estamos com a razão! Nós é que somos perfeitos! Nós é que te amamos, porque somos iguais!’ É exatamente assim que vem procedendo a maioria dos parentes e pseudoamigos quando alguém vê quem sou e decide aproximar-se de mim ou seguir-me. Os espíritos das trevas, incorporados nos parentes e pseudoamigos, se agitam e assediam-no numa acirrada campanha coercitiva, no intuito de reter no interior do tenebroso mundo das trevas (recipiente de vermes) o infeliz que anseia por liberdade, luz e vida eterna.

Estes humanoides, visando prosperar seus hediondos intentos, fazem uso de argumentos levianos, absurdos, ridículos e, quando se sentem impotentes, partem para a execrável calúnia. Deparando com a resistência do postulante à liberdade que persevera na fé e se debate para fazer valer seu inalienável direito de cultivar no foro íntimo a convicção de minha identidade, então, como último gesto de alucinante desespero, internam ou tentam internar o postulante numa clínica psiquiátrica sob a alegação de que está louco. E nas vezes que, antes de tomar essas atitudes condenáveis e espúrias, o postulante se refugia na casa de DEUS, esses pústulas humanoides tentam o sequestro.

Assim, agora, vós que sois meus filhos podeis compreender por que eu disse há dois mil anos: ‘Não julgueis que vim trazer paz à terra; não vim trazer a paz, mas a espada. Porque vim separar o filho de seu pai, e a filha de sua mãe, e a nora da sua sogra. E os inimigos do homem serão os seus próprios parentes. O que ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e o que ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim. O que não toma a sua cruz e não me segue não é digno de mim. O que se prende à sua vida perdê-la-á; e o que perder a sua vida por meu amor achá-la-á. O que vos recebe a mim recebe; e o que me recebe recebe Aquele que me enviou’ (Mateus c.10 v.34 a 40).”

P. S.) Esta parábola nasceu em 1985, quando um médico oriundo do interior de São Paulo, após assistir INRI CRISTO no programa Brasil Urgente, da Rede Bandeirantes, resolveu deixar tudo para segui-lo, todavia foi impedido pelos parentes, que cercearam seu inalienável direito de livre escolha.

Post anteriorParábola do Veículo Cela
Próximo postParábola do Anão

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

15 − doze =