REENCARNAÇÃO – Realidade insofismável da lei divina

Assim falou INRI CRISTO:

“A reencarnação é uma realidade insofismável porque DEUS é perfeito. Dentre todas as virtudes que integram a perfeição está a justiça. DEUS perfeito é justo. Injusto não seria perfeito e então não seria DEUS. Em conseqüência, se a reencarnação não existisse, como se poderia razoavelmente crer em DEUS, sendo que todas as pessoas nascem diferentes, num leque variável, indo de rico e de boa saúde até pobre e aleijado? Qual justiça seria essa se cada um tivesse direito a uma única existência terrena? Segundo quais critérios seriam distribuídas saúde, riqueza, pobreza, doença…? Só a reencarnação põe lógica em tudo isto.

Mas, para bem compreender, é mister lembrar alguns detalhes fundamentais.

Primeiro, o homem foi criado com livre arbítrio, que lhe faculta a possibilidade de optar entre o bem e o mal nos seus atos, palavras e pensamentos. Segundo, a lei de DEUS, apesar de muito complexa, pode ser resumida em duas palavras: ação e reação. Mais precisamente, quem faz o bem recebe o bem, quem faz o mal recebe o mal, sendo que raramente de imediato. É mais ou menos semelhante a uma conta bancária: quem tem saldo positivo recebe juros, quem tem saldo negativo paga juros; e quanto mais endividado, mais juros para pagar!

No destino do homem, o processo é o mesmo, sendo que muitas vezes uma única existência seria insuficiente para pagar a dívida, e é precisamente aqui que se cristalizam a bondade e a perfeição de DEUS:  em vez de condenar definitivamente ao fim em uma única experiência de vida, Ele faculta ao homem reencarnar a fim de cada um poder pagar o que deve à lei por uma purgação mais ou menos dura segundo a dimensão da dívida contraída. E se uma reencarnação não basta, terá mais uma, e mais uma… E assim existem, na ordem crescente, três grandes razões para reencarnar: 1ª) pagar a dívida (ou parte dela) por uma purgação adaptada a cada caso; 2ª) evoluir se já estiver no caminho da transcendência; 3ª) cumprir uma missão na ótica dos desígnios de DEUS.

A realidade da reencarnação está bem explícita na Bíblia …e é no mínimo estranho que os embustólogos que se dizem ‘teólogos’ não tenham percebido! Por exemplo: quando o anjo, falando do nascimento de João Batista (Lucas c.1 v.13 a 17), anuncia que o mesmo viria com ‘o espírito e a fortaleza de Elias’, ele está dizendo claramente que João Batista era a reencarnação do Elias. Eu, quando me chamava Jesus, confirmei quando disse: ‘…ele mesmo (João Batista) é o Elias que há de vir’ (Mateus c.11 v.13 a 15 – Mateus c.17 v.10 a 13 – Marcos c.9 v.11 a 13). Ainda disse a Nicodemos que só nascendo de novo ele poderia ver o Reino de DEUS (João c.3 v.1 a 3). Também falei aos discípulos, na última ceia, que não beberia mais do fruto da videira até aquele dia em que o beberia de novo junto com eles no Reino de DEUS (Mateus c.26 v.27-29 e Marcos c.14 v.24-25). Uma vez que, obviamente, espírito sem corpo físico não bebe vinho, logo só poderia voltar a bebê-lo reencarnado, renascido fisicamente.

A lei dos homens é passível de ser emendada, manipulada, corrigida. No entanto, a lei divina é perfeita, justa e eterna; dela ninguém pode se esquivar. Assim sendo, o primeiro homem tinha que ser o exemplo da reencarnação, e o primeiro homem, segundo as Sagradas Escrituras, foi Adão. Não importa o nome que lhe tenha sido atribuído no transcurso dos séculos; a questão é que houve o homem primordial, ancestral da humanidade, oriundo de um processo evolutivo de milhões de anos. Quando jejuei em Santiago do Chile, o SENHOR me revelou que sou o Primogênito, o mais antigo de todos, o primeiro ser humano que adquiriu a consciência de si e do mundo que o cercava.

Justo por ter iniciado os seres humanos no vulnerável caminho do pecado tive que voltar inúmeras vezes sempre com a missão de reconduzir os seres humanos ao Éden. Então, após várias reencarnações, entre as quais Noé, Abraão, Moisés, David, etc., paguei com meu sangue, quando me chamava Jesus, o deslize cometido no tempo de Adão, assim como a consequência deste que foi o pecado da minha prole: é neste sentido que resgatei o pecado da humanidade. Eis a explicação da palavra: ‘PAI, perdoai-os, eles não sabem o que fazem’. Aliás, só à luz desta ótica faz sentido a crucificação. Senão, vejamos pois: os homens pecam e DEUS criaria um filho puro e inocente que iria pagar pelos pecados que outros cometeram! Onde estaria a lógica? Onde estaria a justiça? Onde estaria a lei perfeita de DEUS?

Mas convém salientar que só foram resgatados os pecados que os homens cometeram até a crucificação; quem pecou depois, pecou por conta própria e tem que responder pessoalmente por seus atos. E a humanidade tanto pecou que não há mais conserto possível. Por isso, antes do fim deste mundo caótico que será consumido por uma inevitável hecatombe nuclear, reencarnei conforme as Sagradas Escrituras para cumprir minha missão de estabelecer na Terra o Reino de DEUS, guiando os eleitos na fundação das bases da nova sociedade terrestre emergente das cinzas.

Conforme está previsto em Apocalipse c.3 v.12, vim com um nome novo que é INRI, o nome que paguei com meu sangue na cruz. Como poderia voltar com o nome antigo (Jesus) sendo que atualmente milhares de pecadores se chamam assim, entre os quais assassinos, ladrões, alcoólatras, etc…?

E, apesar das mentiras dos falsos religiosos, não desci do céu voando como uma ave e sim, conforme as sagradas leis de DEUS, reencarnei recolhendo meu corpo das entranhas de uma mulher. Pois convém desmascarar as mentiras vergonhosas dos que ignoram a lei de DEUS e interpretam a Bíblia em função de seus desonestos interesses.

Eu, Cristo, não vim de carne e osso do céu porque nunca subi ao céu de carne e osso (e Maria, minha antiga genitora, mulher de José, muito menos ainda!). Isto seria violar a lei, e DEUS não a violaria porque ela é perfeita e DEUS é perfeito, além de contradizer o que eu mesmo disse quando me chamava Jesus: ‘Eu não vim para abolir a lei e sim para cumpri-la’ (Mateus c.5 v.17-19). Na realidade, enquanto os soldados romanos desguarneceram a vigília,  o SENHOR mandou servos fiéis recolherem meu corpo, cobri-lo com novos lençóis e escondê-lo numa sepultura anônima, a fim de que cessasse a ultrajante sessão de escárnios e deboches que continuava mesmo depois da crucificação e conseqüente desencarnação.

Após este evento, eu reapareci unicamente em espírito e por este motivo entrava nas casas sem abrir as portas (João c.20 v.19 e v.26), ou incorporado num corpo alheio (Marcos c.16 v.12) como apareci aos discípulos a caminho de Emaús (Lucas c.24 v.13 a 35) e a Maria Madalena incorporado no jardineiro (João c.20 v.15). Como poderia ter subido de carne e osso ao céu depois da crucificação se DEUS disse desde os tempos de Adão: ‘… voltarás à terra, de que foste tomado; porque tu és pó e em pó hás de te tornar’ (Gênesis c.3 v.19)? E como teriam se efetuado a viagem e a sobrevivência sendo que no espaço sideral não há comida para nutrir um corpo humano, não tem ar para respirar e a temperatura confina zero absoluto, ou seja, 273º negativos? Por acaso DEUS, meu PAI,  teria me mantido congelado durante quase 2000 anos no espaço até me reativar?

Além disso, está escrito em Apocalipse c.3 v.3: ‘Virei a ti como um ladrão e não saberás a que hora virei a ti’ e em Lucas c.17 v.25 a 35 em relação ao meu retorno: ‘Mas primeiro é necessário que ele (Cristo) sofra muito e seja rejeitado por esta geração. Assim como foi nos tempos de Noé, assim será também quando vier o Filho do Homem’. Então, como eu poderia descer diretamente do céu com potência e glória como deliram os fariseus se deveria vir primeiro como um ladrão e ser rejeitado por meus contemporâneos?

É claro que esta história da descida direta do céu é a última mentira pregada pelos traidores da causa divina para tentar impedir o reconhecimento público de minha identidade. Na mesma lógica, organizam um boicote sistemático a fim de que os meios de comunicação não falem de mim nem me deixem falar ou aparecer.

É óbvio que quem se diz padre, pastor, servo de DEUS etc. e nega a reencarnação nada compreendeu da lei de DEUS nem das Sagradas Escrituras ou então é desonesto. Mas em ambos os casos é um impostor que leva consigo seus seguidores no caminho do erro e da mentira, desviando-os da verdade. ‘Ficarão fora do Reino de DEUS os idólatras, os cães, os feiticeiros… e todos os que amam e praticam a mentira’ (Apocalipse c.22 v.15).

Agora, tendo consciência de que voltei pela natural lei da reencarnação, é mais fácil compreender por que os sacerdotes da proscrita igreja romana já não podem impor aos fiéis, como antigamente, que se ajoelhem ao ingerir a hóstia, uma vez que eu disse na última ceia ao instituir a eucaristia: ‘Fazei isto em minha memória’ (Lucas c.22 v.19). Logo, já que estou de carne e osso na terra, ninguém pode mais comer meu corpo simbolicamente em forma de pão em minha memória. Consequentemente, a eucaristia, despojada de seu valor místico, está extinta aos olhos do SENHOR.”

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

8 − 2 =