RESSURREIÇÃO – A verdade sem dogmas

A ascensão física ao céu do Filho de DEUS é um engodo dogmático, a pedra de tropeço da humanidade.

Assim falou INRI CRISTO:

“Equivocadamente, durante séculos a humanidade foi ensinada que eu ressurgi de carne e osso e assim fui para o céu. Isso é um absurdo, um desvario pois, além de atropelar a lógica, é contra a eterna e natural lei de DEUS estabelecida no tempo de Adão (‘Tu és pó, do pó tu foste tomado e ao pó retornarás’ – Gênesis c.3 v.19). Na verdade, eu ressurgi em espírito e assim apareci às pessoas. Torna-se, portanto, necessário estabelecer a clara distinção entre ressurreição, ressuscitação e reencarnação.

Ressuscitar significa retornar à vida física, reassumir o corpo que estava aparentemente morto, o que os doutores contemporâneos denominam ‘estado de catalepsia’. Uma pessoa que aparentava estar morta e torna a viver ressuscitou, a exemplo de Lázaro e da filha de Jairo, há dois mil anos. Eu havia dito que ambos estavam apenas dormindo (João c.11 v.11 e Marcos c.5 v.39). Lázaro já estava no sepulcro havia três dias, evidentemente expelindo um odor nauseabundo devido à falta de higiene, e quando o chamei ele veio ao meu encontro (João c.11 v.1 a 46). A filha de Jairo igualmente ressuscitou quando eu disse em alta voz: ‘Levanta-te!’ (Marcos c.5 v.41). Agora, meu PAI, SENHOR e DEUS, através de minhas mãos e de minhas palavras, também operou notórios milagres.

Reencarnar é renascer fisicamente, recolher o corpo virgem das entranhas de uma mulher. Dizem os ignorantes, órfãos da espiritualidade, que reencarnação é um termo exclusivo dos espíritas. Ora, reencarnação significa renascimento físico, retornar à carne, e espíritas são todos que creem na existência do espírito, e não algum grupo de fanáticos isolados que porventura reivindiquem para si este termo. A reencarnação faz parte do contexto da lei divina e consta diversas vezes nas Sagradas Escrituras. Por exemplo: quando o anjo, falando do nascimento de João Batista, anuncia que o mesmo viria com o ‘espírito e a fortaleza de Elias’, para os seres raciocinantes ele está afirmando que João Batista era o profeta Elias reencarnado (Lucas c.1 v.13 a 17). Eu, quando me chamava Jesus, confirmei quando disse: ‘Se vós quereis dar crédito, João Batista é o Elias que vós esperais’ (Mateus c.11 v.13 a 15, Mateus c.17 v.10 a 13, Marcos c.9 v.11 a 13), pois nas Escrituras foi predito que antes do Messias devia vir o Elias (Malaquias c.4 v.5). E ainda disse a Nicodemos que só nascendo de novo ele poderia ver o Reino de DEUS (João c.3 v.1 a 3), pois sua cabeça estava repleta de fantasias e só nascendo de novo ele teria a chance de compreender os mistérios da lei divina. Também falei aos discípulos, na última ceia, que não beberia mais do fruto da videira até aquele dia em que o beberia de novo com eles no Reino de DEUS (Mateus c.26 v.27 a 29, Marcos c.14 v.24 e 25). Uma vez que, obviamente, espírito sem corpo físico não bebe vinho, eu só poderia tornar a bebê-lo reencarnado, renascido fisicamente.

Certa ocasião, tendo sido curado um cego de nascimento, perguntaram os discípulos: ‘Mestre, quem pecou, este ou seus pais para que nascesse cego?’ (João c.9 v.2). Ora, como seria viável imputar pecado a um cego de nascença se não houvesse a possibilidade de infringir a lei em anterior encarnação? No Antigo Testamento, no relato do martírio dos sete irmãos macabeus e de sua mãe, ao ser torturado, um deles disse: ‘Do céu recebi estes membros, mas agora os desprezo pela defesa de suas leis, esperando que DEUS me tornará a dá-los um dia’ (II Macabeus c.7 v.11). Aí está clara a referência à reencarnação. Aliás, só à luz da reencarnação é possível compreender as desigualdades entre os seres humanos.

Eu retornei, voltei à terra, conforme havia prometido, através da perfeita, eterna e divina lei da reencarnação. Eu que vos falo sou o Primogênito de DEUS, que reencarnei Noé, Abraão, Moisés, David, etc., depois Jesus e agora INRI. INRI é o meu novo nome, o nome que Pilatos escreveu acima de minha cabeça quando eu agonizava na cruz, quando cuspiam em meu rosto, quando me humilhavam, quando se cumpriam as Escrituras. INRI é o nome que custou o preço do sangue (‘Ao que vencer… escreverei sobre ele o nome de meu DEUS… e também o meu novo nome’ – Apocalipse c.3 v.12). A lei da reencarnação não só está explícita na Bíblia como também fazia parte da doutrina cristã até o século VI, ocasião em que o imperador Justiniano, obediente à sua dominadora esposa Teodora (cortesã que se fez imperatriz), ordenou que a suprimissem do contexto do Cristianismo, protagonizando um grotesco e lamentável erro histórico.

A ressurreição é o reaparecimento, a manifestação do espírito de alguém que desencarnou. Às vezes, num mesmo recinto, um espírito que ressurgiu pode ser visto por uma ou mais pessoas, todavia raramente por todos; a silhueta que se apresenta geralmente corresponde à última imagem que a pessoa desencarnada deixou ao transcender para o plano cósmico, a última imagem impregnada no inconsciente coletivo. Quando apareci a Tomé, entrei no recinto estando as portas fechadas, como bem relatam as Escrituras. Ao mostrar-lhe as marcas da crucificação, disse: ‘Põe aqui teu dedo, vê as minhas mãos, Tomé… Tu creste, Tomé, porque me viste; bem-aventurados os que não viram e creram’ (João c.20 v.26 a 29).

Mas Tomé não tocou as feridas, ele acreditou apenas ao ver. Se ele tivesse tentado tocar as feridas teria deparado com o vácuo, porque era só o meu espírito que se via e estava presente. Tomé não viu a imagem através de feixes luminosos que se refletiram e estimularam a retina de seus olhos. Antes, porém, ele contemplou meu espírito com o olho espiritual; a imagem formou-se diretamente em sua mente, no plano psíquico, como em uma visão. Outros que estavam presentes no mesmo recinto possivelmente não viram o mesmo que ele viu. Seria simplesmente inconcebível que um corpo constituído de células atropelasse as leis da Física e atravessasse de um lado a outro as paredes de um recinto só para agradar aos insanos que, delirando, baseiam suas vidas no engodo da fantasia e da mentira.

Os cristãos, há séculos enganados na fé, estão impedidos de contemplar minha presença na Terra por acreditarem numa lenda pagã que os sacerdotes traidores da causa divina transformaram em dogma. Raciocinai, meus filhos, removei essas abominações que vos impuseram, andai com vossos pés no chão, despertai para a realidade! Como eu poderia ter subido ao céu de carne e osso se lá não existe ar para respirar nem nutrição para sustentar um corpo físico e a temperatura confina zero absoluto, ou seja, 273ºC negativos? Além disso, teria subido nu, posto que os soldados romanos sortearam minhas vestes entre si (João c.19 v.23 e 24).

Na verdade, enquanto os soldados romanos desguarneceram a vigília (Mateus c.28 v.13), o SENHOR mandou servos fiéis recolherem meu corpo (Mateus c.27 v.55-56; Marcos c.15 v.47; Lucas c.23 v.55), cobri-lo com novos lençóis e escondê-lo numa sepultura anônima, a fim de que cessasse a ultrajante sessão de escárnios e deboches que perdurava, mesmo depois da crucificação e consequente desencarnação. Após este evento, eu reapareci unicamente em espírito e por isto entrava nas casas estando as portas fechadas (João c.20 v.19 e 26), ou incorporado no físico de outrem.

A caminho de Emaús, dois discípulos falavam sobre minha crucificação com um forasteiro e não enxergavam que na realidade era eu quem estava caminhando com eles. Tendo declinado o dia, convidaram o homem para cear, e só na hora de partir o pão, pela minha forma peculiar é que me identificaram (Lucas c.24 v.13 a 35). Eu vos pergunto, meus filhos: tendo os discípulos convivido comigo durante tanto tempo, por acaso não teriam me reconhecido se eu estivesse usando o mesmo corpo que tinha antes da crucificação, até porque seriam notórias as feridas? É óbvio que me reconheceriam. Isso não aconteceu porque eu estava usando o corpo do forasteiro; só na hora de partir o pão é que me manifestei e, com meu gesto inconfundível, eles, então, conscientizaram-se de minha presença.

O mesmo aconteceu à Maria Madalena quando foi ver o sepulcro no dia seguinte à crucificação. Pensando que eu fosse o jardineiro, só depois de perguntar sobre mim ela percebeu minha presença, pois eu estava incorporado no jardineiro, usando seu invólucro carnal para falar com ela; ao contrário, se fosse meu corpo, ela teria me reconhecido incontinenti, até porque minha silhueta, minha imagem não é comum nem desprovida de carisma (João c.20 v.14 e 16).

Assim podeis compreender, meus filhos, o que realmente aconteceu há dois mil anos. Eu ressurgi, reapareci espiritualmente às pessoas; o meu corpo foi devolvido à mãe Terra. E agora, cumprindo o prometido, voltei através da natural lei da reencarnação, recolhendo meu corpo físico das entranhas de uma mulher. Meu PAI me reenviou com a mesma forma, a mesma silhueta que tinha antes de ser crucificado, como podeis atestar através do Sudário. Antes, porém, do dia de glória do SENHOR, cumpre-se a profecia expressa nas Sagradas Escrituras: ‘Mas primeiro (antes do seu dia de glória) é necessário que o Filho do Homem sofra muito e seja rejeitado por esta geração. Assim como foi nos tempos de Noé, assim será também quando vier o Filho do Homem’ (Lucas c.17 v.25 a 35).

A coerência, a lógica e a verdade são indissociáveis. Os sensatos meditam…”

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

13 − quatro =