Medo do desconhecido

Contam as lendas que um dia um espião foi preso e condenado à morte pelo general do exército árabe.

Sua sentença era o fuzilamento, mas o general tinha um hábito diferente e sempre oferecia ao condenado outra opção.

E essa outra opção era escolher entre enfrentar o pelotão de fuzilamento ou entrar por uma porta preta.

Com a aproximação da hora da execução o general ordenou que trouxessem o espião à sua presença para uma breve entrevista.

Diante do condenado, fez a seguinte pergunta: o que você quer – a porta preta ou o fuzilamento?

A escolha não era fácil, por isso o prisioneiro ficou pensativo e, só depois de alguns minutos, deu a resposta: prefiro o fuzilamento.

Depois que a sentença foi executada o general virou-se para o seu ajudante e disse: “Assim é com a maioria dos homens. Preferem o caminho conhecido ao desconhecido”.

“E o que existe atrás da porta preta?”, perguntou o ajudante.

“A liberdade”, respondeu o general.

E poucos foram os homens corajosos que a escolheram. Essa é uma das mais fortes características do ser humano: optar sempre pelo caminho conhecido, por medo de enfrentar o desconhecido. Geralmente as pessoas não abrem mão da acomodação que uma situação previsível lhes oferece. É mais fácil ficar com a segurança do que já se sabe do que aventurar-se a investigar novos caminhos. Pense nisso! Nem sempre o caminho já batido por muitos é o caminho que nos conduzirá à liberdade. Nem sempre nadar a favor da correnteza é indício de chegada a um porto seguro. Às vezes, é preciso abrir trilhas ainda desconhecidas da maioria, mesmo que tenhamos que seguir só. Por vezes, é preciso nadar contra a corrente, optar pela porta estreita, para que se possa vislumbrar um mundo livre, feliz, sem constrangimentos que tolhem a liberdade e infelicitam os seres.

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

um × cinco =