14 – Ética, sociologia, Capitalismo x Socialismo, ideologia marxista, liberdade, civilização, filosofia, arte, intelectualismo

1) Qual o seu conceito em relação à ética?

INRI CRISTO: “Em primeiro lugar, os que mais falam em ética são os que mais a violam, e acabam usando a religião para impor falsos preceitos de moral (a saber, os sacerdotes traidores da causa divina). Resumidamente, não estarás ferindo a ética desde que não vires as costas para DEUS, desde que não estejas pecando, violando a lei divina. Pecado, vale mais uma vez lembrar, é tudo que fizeres que faz mal a ti ou a outrem. Tudo que fizeres que não faz mal a ti nem aos outros não é pecado. Logo, perante meu PAI, SENHOR e DEUS, viver sob princípios éticos significa buscar a harmonia nas relações em sociedade, o respeito no contato com a natureza e a lucidez na compreensão do Universo. A bem da verdade, os códigos de moral foram inventados pelos homens para regular o comportamento em sociedade e impor limites aos que gostam de viver engaiolados por ideias e princípios nem sempre ortodoxos. Já os que amam e conhecem a liberdade, no entanto, não se deixam aprisionar pelas barreiras moralistas impostas pelos homens. Eu amo a liberdade e voltei a este mundo para ensinar meus filhos a serem livres, como já disse quando me chamava Jesus: ‘Conhecereis a verdade e a verdade vos tornará livres’ (João c.8 v.32). Livres para viver, livres para amar, livres para adorar ao CRIADOR Supremo, meu PAI, SENHOR e DEUS”.

2) No seu ponto de vista, qual sistema de produção está mais próximo da justiça social, capitalismo ou socialismo?

INRI CRISTO: “Nenhum dos dois sistemas de produção pode estar próximo da justiça social enquanto não se tiver DEUS em primeiro lugar. O ideal seria o que estivesse coerente com o regime teocrático, teo-socialista ou teo-capitalista. A justiça social só pode ser possível quando os seres humanos tiverem aprendido a viver em comum, com os olhos voltados para DEUS e todos estiverem conscientes de que nada possuem e sim tudo pertence a DEUS”.

3) O lema da Revolução Francesa ocorrida em 1789 era ‘Liberdade, Igualdade e Fraternidade’. Até hoje, isto não se concretizou. O Senhor considera que um dia é possível isto se efetivar ou não passa de utopia?

INRI CRISTO: “Resumidamente, é possível se efetivar o dia em que os seres humanos comungarem, coabitarem sob o império da lei divina, tendo unicamente DEUS, meu PAI, como SENHOR. Quando todos amarem o mesmo DEUS, o mesmo SENHOR, e seguirem suas santas e eternas leis, poderão viver em harmonia na Terra, jamais se olvidando que a lei da igualdade consiste unicamente em distribuir-se desigualmente a desiguais na medida em que se desigualam”.

4) O que o Senhor define como sendo liberdade, já que diz ser o libertador?

INRI CRISTO: “A liberdade se assemelha a um recipiente repleto de água cristalina indispensável na travessia de um longo e tórrido deserto. Sem este precioso líquido, certamente morreríeis de sede. Todavia, se ingerido de uma só vez, seríeis conduzidos ao indubitável fenecimento. Tendes, então, que dosá-lo com prudência a fim de concluir a jornada. A liberdade é uma das maiores dádivas que DEUS concedeu ao ser humano, mas só depende dele saber usá-la. Há dois mil anos eu disse: ‘Conhecereis a verdade e a verdade vos tornará livres’ (João c.8 v.32). Quem almeja conhecer a verdade vem a mim e eu o liberto dos grilhões da idolatria, da fantasia e da mentira. O mais significativo teste da liberdade de um ser humano é conseguir chegar a mim. Uma pessoa pode dizer-se livre quando consegue atravessar, sobrepujar o túnel negro repleto de escorpiões, serpentes, crocodilos, etc. e finalmente vir à minha presença. Muitos só descobrem que não são livres ao tentarem me encontrar, pois surgem inúmeros empecilhos principalmente entre os familiares. Eis o significado do que enunciei antes de ser crucificado: ‘Não julgueis que vim trazer paz à Terra. Não vim trazer a paz, mas a espada. Porque vim separar o filho de seu pai, e a filha de sua mãe, e a nora de sua sogra. E os inimigos dos que crerem em mim serão os seus próprios parentes. O que ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim. O que ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim… O que se prende à sua vida a perderá e o que perder a sua vida por meu amor a achará’ (Mateus c.10 v.34 a 40). A separação é inevitável. Quem ama e é escravo das trevas não consegue conviver harmoniosamente com os amantes da luz. É raro encontrar uma família inteira coesa, em que todos os integrantes amam a luz e a verdade. A liberdade, outrossim, não consiste em fazer tudo que se deseja, e sim em não se deixar escravizar por desejos insaciáveis. Muitos pensam que são livres, pensam que podem fazer tudo que querem e se equivocam. A maioria destes não são livres e sim escravos de suas fantasias, de seus medos, de suas misérias, de suas angústias, de seus vícios, dos grilhões e amarras impostos pela decadente sociedade contemporânea. Tens o direito de pensar que és livre para fumar o quanto queres. Mas essa liberdade não irá transformar-te em escravo do tabaco? Podes ainda, seguindo o mesmo raciocínio, enveredar-te no caminho das drogas, todavia elas te conduzirão ao fundo do poço negro culminando com a destruição do sistema neuronial e dificilmente delas te libertarás. Ou então podes imaginar-te livre para, na condição de avaro, angariar muitos bens materiais, joias, automóveis, imóveis… olvidando-te que quanto mais possuis, mais prisioneiro serás de tuas riquezas, sem as quais te sentirias muito infeliz. Há dois mil anos já falei sobre isso: ‘Entesourai para vós tesouros no céu, onde nem a ferrugem, nem a traça os consomem, e onde os ladrões não perfuram as paredes nem roubam. Porque onde está teu tesouro, aí está também teu coração’ (Mateus c.6 v.20 e 21). Também podes usar da liberdade para ansiosamente transformar-te num glutão. Mas será que assim não te tornarás escravo da gordura, tendo que carregá-la contigo onde quer que fores? A liberdade pode conduzir-te ao vale da promiscuidade e ao mesmo tempo sujeitar-te a sofrer uma doença incurável. Deves, portanto, usufruir a liberdade aliada à conscientização. Só assim não te tornarás escravo dela. A verdadeira liberdade impõe disciplina, equilíbrio, lucidez. Não se pode ser racionalmente livre em meio à confusão, ao desequilíbrio e à ignorância”.

5) O que o Senhor pensa sobre a ideologia marxista, ou comunismo?

INRI CRISTO: “O chamado comunismo é uma farsa idealizada e teorizada por Karl Marx no afã de ludibriar os incautos. Segundo essa ideologia, todos usufruem da propriedade coletiva pertencente ao Estado. Os cidadãos, independendo da profissão que exerçam, devem ter as mesmas condições de vida. Os bens de produção são comuns a todos. Na teoria soa maravilhosamente perfeito. A prática, não obstante, é bem diferente. Aos líderes são erigidas suntuosas construções para habitarem, usufruem de um padrão de vida diferente dos demais cidadãos; por fim, a corrupção se implanta no seio da classe dominante. Não quer dizer isso que seja errado os governantes habitarem num palácio; é até necessário devido à sua condição hierárquica. Errado é proclamar-se partidário do comunismo e viver no luxo enquanto, ao mesmo tempo, pessoas do povo passam fome e vivem em precariedade. Se o comunismo realmente existisse, então todos, incluindo os líderes, deveriam sobreviver sob as mesmas condições. Josef Stálin teria abdicado o palácio a fim de habitar num casebre semelhante ao dos operários e Fidel Castro dividiria o palácio onde habita com os colhedores de cana. Em resumo: o dia em que for possível um indivíduo com o pé tamanho 43 calçar um sapato 34, reverei meu conceito sobre o comunismo. Mikhail Gorbachev compreendeu o equívoco e promoveu a dissolução da ex-URSS. Considerando a inviabilidade de manter a farsa do comunismo na prática, porque todos os seres humanos são por natureza diferentes, cada um deve receber de acordo com suas necessidades e aptidões, dentro da lei da igualdade, que, vale mais uma vez lembrar, consiste unicamente em distribuir-se desigualmente a desiguais na medida em que se desigualam. É a extensão do que ensinei na Parábola do Talento, quando me chamava Jesus (‘Porque ao que tem, dar-se-lhe-á, e terá em abundância; mas ao que não tem, tirar-se-lhe-á até o que julga ter’ – Mateus c.25 v.29)”.

6) O que falta para que se estabeleça o equilíbrio nas relações sociais?

INRI CRISTO: “Harmonia, simbiose com DEUS”.

7) Ter ambição é pecado?

INRI CRISTO: “Ter ambição não é pecado desde que não ambicioneis o alheio. Desejar possuir uma boa casa, adquirir um bom automóvel, trabalhar num bom emprego ou então dirigir um rentável negócio não é pecado. Ao contrário, é até uma bênção. O pecado está em ambicionar o alheio, que consiste na violação do décimo mandamento: ‘Não desejarás as coisas alheias’ (Êxodo c.20 v.17). Ambicionar o alheio significa desejardes a casa do vosso vizinho ou o carro do vosso irmão, exceto se foram anunciados e postos à venda. Se almejais construir uma casa melhor que a dele ou até possuir um carro mais confortável do que o dele, não estareis pecando, porque se confiais em DEUS Ele pode vos dar muito mais do que podeis imaginar. DEUS sempre vos abençoará desde que confieis nEle e fizerdes a vossa parte. Todavia, lembrai-vos sempre que quanto mais fordes escravos da matéria, mais ela vos escravizará e quanto menos fordes escravos dela mais ela se tornará vossa escrava. Se vos contentais em receber o pouco com a bênção do SENHOR, este pouco se transformará em muito e recebereis as dádivas do céu. Todavia, se não confiardes em DEUS e vos entristecerdes com o pouco, invejando os demais, então tereis cada vez menos”.

8) Até que ponto o chamado “progresso do mundo civilizado” pode ser considerado benéfico à humanidade?

INRI CRISTO: “Até ponto algum. Junto aos supostos benefícios, o progresso acarretou inúmeros prejuízos ao real bem estar da humanidade. Se o progresso deveras fosse progresso, estender-se-ia a todos os habitantes da Terra, não a um restrito número de pessoas, coincidentemente os considerados materialmente mais ricos. O progresso não fez a humanidade mais próspera, nem fez as crianças mais felizes. Ao contrário, trouxe consigo o consumismo caracterizado no desespero frenético de querer mais e mais, a corrida desenfreada em busca do mais novo, do mais avançado, provocando a inevitável disputa de quem tem e pode ter o melhor; por outro lado, desgosto e insatisfação aos que não têm nem podem ter. Progresso tornou-se sinônimo de poluição do ar e dos rios, desmatamentos, extinção dos animais, destruição dos recursos naturais do planeta, desequilíbrio ecológico, prejuízo à saúde, angústia social, etc.”

9) O que o Senhor considera um padrão ideal ou pelo menos equilibrado de vida?

INRI CRISTO: “Os seres humanos terão atingido o padrão ideal de vida quando aprenderem a viver em simplicidade, porque a simplicidade é o derradeiro estágio da sabedoria. Isso se traduz em alimentar-se corretamente à base de nutrientes saudáveis, na medida do possível sem química; ter um trabalho cotidiano voltado para o bem comum; dar boa educação aos descendentes; conservar a mãe terra, extraindo dela somente o necessário para a sobrevivência; cuidar da saúde; adquirir gosto pelas coisas simples e hábitos salutares etc.”.

10) Como o Senhor diferencia um intelectual de um “intelectualoide”?

INRI CRISTO: “Um intelectual, como bem diz o termo, é alguém que desenvolveu o intelecto. Isso independe de haver frequentado uma academia terrestre, posto que a capacidade de raciocinar está no indivíduo e não nos títulos que eventualmente venha a ostentar. A maior demonstração do grau de intelectualidade de uma pessoa está na humildade em reconhecer quando está equivocado em suas ideias e inclinar-se diante da verdade. Já o intelectualoide é o indivíduo que se julga alguém muito sábio, muito inteligente (em alguns casos até superior aos demais seres humanos), e em procedendo desta maneira permite que o nefasto orgulho acadêmico lhe cegue o entendimento, deixando-o bitolado girar em redondo nas raias de sua tão estreita e limitada ‘inteligência’. Isso o impede vislumbrar as sutilezas das coisas de DEUS e reconhecer suas falhas conceituais. Eis por que eu disse quando me chamava Jesus: ‘Graças te dou, ó PAI, porque ocultaste essas coisas aos doutos e aos prudentes e as deste a conhecer aos simples e aos humildes’ (Mateus c.11 v.25). Mas deixo bem claro que não sou contra o conhecimento acadêmico. Ao contrário, considero o estudo fundamental, ferramenta salutar para o desenvolvimento do indivíduo e da sociedade. Já orientei diversos jovens indecisos que vieram à minha presença, indicando-lhes a faculdade mais adequada a estudar de acordo com a vocação de cada um. Muitas vezes aceitei convites de estudantes para falar em universidades sem, todavia, demandar qualquer remuneração. E ainda conheci muitas pessoas analfabetas às quais nomeei instrutores a fim de que aprendessem a ler e escrever”.

11) O Senhor pode nos explicar por que Confúcio, antigo filósofo chinês, disse que só os sábios e os idiotas não mudam de ideia?

INRI CRISTO: “Deveras ele fez uma afirmação que serve para qualquer povo em qualquer época. Os sábios não mudam de opinião porque, tendo consciência daquilo em que acreditam e usando do dom do discernimento, não se deixam influenciar por leviandades, não aceitam fantasias. São irredutíveis quando alguém lhes tenta inculcar algo não condizente com sua inabalável convicção. Já os idiotas não mudam de ideia por se considerarem sábios e terem plena convicção dos dogmas que lhes foram inculcados; em suas mentes não há mais qualquer espaço para novas informações e consequentemente não conseguem assimilar a verdade. Já os que se posicionam na linha intermediária entre os sábios e os idiotas são os racionais buscadores da verdade, da sabedoria, e ainda não se deixaram contaminar, iludir, alienar pelos cadeados do raciocínio (dogmas) impostos pelos mercenários da fé”.

12) O Senhor concorda que um elevado a infinito seja mesmo uma indeterminação?

INRI CRISTO: “Se essa pergunta abrange só o campo da matemática terrestre, a resposta pode ser dada pela própria matemática, ou seja, um elevado a infinito ou a qualquer número será sempre um. E assim também, partindo para o campo da matemática divina, um mais um será sempre um, porque eu e meu PAI somos uma só coisa; e um mais dois continua sendo um, posto que meu PAI, eu e o Santo Espírito também somos uma só coisa. E um mais dois, mais cem, mais mil… continuará sendo sempre um, porque eu, meu PAI e meus filhos um dia seremos todos uma só coisa”.

13) As artes, aparentemente elas possuem pouco valor na sociedade atual, qual o valor delas para o desenvolvimento humano? Interpretar e produzir trabalhos artísticos variados engrandece nossa alma? Seria mais, menos ou tão importante quanto os estudos científicos?

INRI CRISTO: “Quando a arte é verdadeira, ela sempre tem um valor inestimável; a verdadeira arte é inspirada. Ninguém consegue praticar a arte verdadeira sem inspiração, mas há que se distinguir se a inspiração veio de DEUS ou dos espíritos das trevas (por exemplo, a ‘arte’ de esculpir estátuas para a prática da idolatria é abominável aos olhos do SENHOR: ‘O ídolo, obra das mãos humanas, é maldito, ele e seu autor’ – Livro da Sabedoria c.14 v.8). A arte vinda da inspiração de DEUS serve para alimentar o espírito, propiciar encanto à alma. Existe a arte da escrita, a arte de compor canções e obras musicais, a arte da dramaturgia e tantas outras. Não obstante, a mais sublime de todas as artes é a arte da dialética, a arte de dar vida às palavras e de utilizar o poder da palavra para fazer o bem. E vos digo em verdade que a arte é mais valiosa para o ser humano do que qualquer trabalho físico e manual, do que o próprio desenvolvimento científico, posto que a arte muitas vezes é o veículo através do qual o sublime, o belo e o divino se manifestam aos homens”.

1 COMENTÁRIO

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

5 × 2 =