Documento em que se firmara a sentença de morte de Cristo

“Ao décimo sétimo ano do império de Tibério César, e vigésimo quinto dia do mês de março na Cidade Santa Jerusalém, sendo Anaz e Caifás sacerdotes e sacrificadores do povo de DEUS, Pôncio Pilatos, governador da Baixa Galiléia assentado na Sede Presidial do Pretório, condena Jesus de Nazaré a morrer numa cruz entre dois ladrões, visto que as grandes e notáveis testemunhas do povo dizem:

1º) Que Jesus é sedutor;

2º) Que é sedicioso;

3º) Que é inimigo da lei;

4º) Que se diz falsamente Rei de Israel;

5º) Que se diz falsamente Filho de DEUS;

6º) Que entrou no templo seguido de uma multidão, trazendo palmas nas mãos.

— Ordem ao 1º Centurião Quinto Cornélio que o conduza ao lugar do suplício. — Proíbe-se a todas as pessoas, pobres ou ricas, que impeçam a morte de Jesus. As testemunhas que assinaram a sentença contra Jesus são: 1º) Daniel Robani (fariseu). 2º) Tomás Zorobatel. 3º) Rafael Robani. 4º) Capet (homem público) —Jesus sairá da cidade de Jerusalém pela porta Struenea”.

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

dois × cinco =